A entrar.....

Moinho de Avis

Moinho De Aviz

Moinho De Aviz


 
É do tipo senhorial, data de 1810 e foi o primeiro a erguer-se naquele local.
 

Foto Nocturna do local de implementação

Para uma melhor visualização, clicar no quadradinho inferior da imagem e visualizar em ecrã completo.

 

O moinho bicentenário foi completamente restaurado pelo seu proprietário, Miguel Nobre, 48 anos, um carpinteiro que se dedica à recuperação deste património em todo o país. Por cima da porta, um painel de azulejos tem escrito ‘‘Meu Deus, o vento passa mas a tua bênção fica’’, um pedido de protecção de intempéries e alusão à fé dos antigos moleiros, homens profundamente crentes. À entrada uma rosa dos ventos, embutida na soleira da porta, indica o Norte. Aquele que é o maior moinho desta serra e um dos maiores de Portugal, com seis metros de altura e sete de diâmetro (a média é de 3,5 metros) tem também nas suas entranhas pedras que foram utilizadas na construção do Convento Dominicano, construído ali perto no século XIII.

Na sua reconstrução e feitura dos engenhos, o carpinteiro do Vilar (Cadaval) utilizou madeiras de cedro e carvalho, criadas na Serra de Montejunto, que comprou após os incêndios. ‘‘Era um pena estragar essas madeiras porque são muito antigas’’, contou. Composto por três pisos, é no último que reside a maior dificuldade. É lá que se concentram os engenhos do moinho, que lhe permitem moer o cereal, transformando-o em farinha. Só o mastro pesa 1500 quilos e as mós cerca de uma tonelada.

O apogeu dos moinhos registou-se há cerca de 50 anos, altura em que estes funcionavam como uma autêntica indústria. E é na Serra de Montejunto, com os seus 666 metros de altitude, que existe a maior concentração destes equipamentos: 11, num raio de 500 metros, dos quais seis ainda funcionam.
A título de exemplo, o moinho de Aviz, com as suas quatro mós a funcionar, poderia produzir mil quilos de farinha por dia e ter dois moleiros a trabalhar diariamente, assim o vento o permitisse.

Fonte texto: Jornal Expresso

 

Fotos interiores

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Story Like 1

Share it on your social network:

Or you can just copy and share this url
Related Posts